Pular para o conteúdo principal

Terry Eagleton - O amor é mais poderoso que a razão

Ócio criativo, Literatura e Wonderclub

Se você já leu alguma coisa sobre a sociedade da Grécia Antiga, deve lembrar que além dos gregos diminuírem as mulheres e criarem uma falsa democracia, foram os responsáveis pelas bases filosóficas do ocidente e pelo cultivo do ócio. Para um grego, o ócio era tão, ou mais, importante do que o trabalho, pois era devido ao tempo dedicado ao ócio que as novas ideias prosperavam e a sociedade evoluía.
Em 1990, o sociólogo italiano Domenico de Masi escreveu um livro chamado O Ócio Criativo, vejamos o que ele diz: “O ócio pode elevar-se para a arte, a criatividade e a liberdade.”
Voltemos ao primeiro parágrafo desse texto e veremos que De Masi nos contempla com o mesmo pensamento da Grécia Clássica. Para que os seres humanos evoluam intelectualmente, espiritualmente, e muitos outros “mentes”, é necessário que haja outros seres humanos que forneçam ferramentas àqueles por meio das artes em geral.
Ora veja cara leitora, agora chegamos ao ponto que interessa em nossa conversação. Como sobreviver fornecendo entretenimento, cultura, ideias, abstração em um mundo tão conectado ao lado mais prático da vida?
Há duas opções, ou você é uma celebridade da criatividade e ganha fortunas instantâneas (o que nos dias que correm é muito difícil, visto que a maioria das pessoas viram celebridades mostrando outras partes do corpo ao invés do cérebro), ou você, humildemente, cobra por seus serviços.
Porém, muitas vezes, o que vemos é uma reticência das pessoas em pagarem por um serviço que envolve o ócio criativo, e por que isso?  Me parece ser uma coisa muito brasileira isso de querer tudo de graça, principalmente se o serviço em questão engloba a criatividade e a abstração. “Ah, mas livros são caros”, não são amores. O esforço emocional, a privação da companhia de outras pessoas, o desgaste até mesmo físico para escrever um livro, valem cada centavo que você, leitora, paga por ele.
Eu nunca quis escrever para blogs, sites, portais e que tais, sempre tive uma relutância quanto a isso, pois detesto ter de lidar com prazos e gosto de dispor do meu tempo como bem entender. Quando o pessoal do Wonderclub me procurou para produzir um livro para elas levei um tempo para me decidir se aceitava a empreita ou não. Acabei por aceitar, primeiro porque o site me pareceu muito sério e profissional, segundo porque ter prazos me puxaria um pouco para a nossa dimensão e terceiro porque eu estava passando por um momento em que certas coisas estavam travadas na minha alma e eu precisava por para fora, e eu só ponho para fora escrevendo.

Até aqui nossa conversa está muito interessante e até abstrata, mas voltando ao ponto da sobrevivência, o Wonderclub é uma plataforma que para sobreviver e continuar fornecendo textos de qualidade às leitoras precisa ser pago. Na verdade, o pagamento é irrisório: $5,00 por mês por escritora. Com certeza você paga muito mais pelo Netflix ou o Spotify, pois então, a proposta do Wonderclub é a mesma, ser uma espécie de Netflix da literatura lésbica. E para que isso continue, nós escritoras precisamos tanto das leitoras quanto estas precisam de nós. É um troca justa, saudável e revolucionária.

Comentários

  1. Fabiula, obrigada por aceitar nosso convite para fazer parte da família Wonderclub.
    <3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lembra quando você chegou?

Lembra quando você chegou? Era Abril, exatamente como na canção de Simon & Garfunkel. Começava a esfriar. Aquele frio do Sul, que vem com força nas manhãs de céu pintado de azul, depois nos abandona durante o dia para voltar à noite como uma amante esfomeada. Eu estava caminhando pelo centro, tinha acabado de entrar numa livraria que ficava na XV e era frequentada pelo pessoal da universidade e pela turma do Leminski, você não deve saber, mas tal livraria nem existe mais, fechou há uns 10 anos. E você estava lá, folheando um livro, com uma mochila pendurada no ombro, com cara de compenetrada e um moletom do curso de Filosofia. Você não me viu, mas eu a enxerguei. Quando veio perguntar o preço do livro foi que nossos olhos colidiram. Os meus eram desde aquele momento só ternura por você, os seus até hoje eu não consegui decifrar, e depois de tanto tempo eles, algumas vezes,escapam da minha memória. Depois disso, só fui te avistar duas semanas depois, no pátio da Reitoria. Era uma manh…

Quarta Dimensão

Para Vânia Borges

Elas sofriam, cada uma a seu modo, cada uma em seu ritmo, cada uma num diapasão diferente. Duas vidas não podiam ser mais diferentes do que a delas, sendo o sofrimento a única coisa que as unia no momento em que se encontraram. Um encontro casual, daqueles que acontecem aos milhares num dia comum sobre a Terra. Talvez fosse acaso, talvez fosse destino, talvez fosse uma condição zodiacal favorável, mas o fato é que agora estavam frente a frente, e não havia mais como escapar desse encontro. Por que sofriam é um assunto delicado demais para ser tratado por esta escrivinhadora da vida. Quem sabe sofressem como outros tantos milhões de humanos: por desamor, por desapontamento, por indiferença. Quem sabe foi a força misteriosa que todo sofrimento tem que as empurrasse uma para a outra. Sem necessidade de muito falar, de muito argumentar, foram descobrindo as camadas de dor que as cobria, foram remediando as feridas que, ainda, insistiam em se manter abertas. Foram ocupan…

Clóvis

Ele era alto, magro e negro, com um porte que podia lembrar tanto um dândi quanto uma dama, isso dependia de quem o observava. Andava pelas ruas da pequena cidade a cata de serviços que lhe dessem o que comer no dia, qualquer serviço era bem-vindo e aceito. Não se importava com as humilhações, nem com o xingamento a que diversas vezes era submetido, estava acostumado. Sua vida fora sempre vivida entre aceitação, desaforos, pobreza e rebaixamento. O Sol queimava o chão manchado de terra vermelha, aquela cor que por mais que esfregasse estava impregnada na calçada, nos sapatos, no interior das pessoas do lugar, o vermelho comandava a vida da cidade, era do vermelho que brotavam as plantações que movimentavam o lugarejo. E Clóvis, com seus braços fortes e negros, esfregava e esfregava, sem esperança de que a brancura que um dia existira voltasse a reinar. Das poucas casas do lugar, apenas uma sempre lhe arrumava alguma coisa em que trabalhar, fosse esfregando a calçada, fosse arrancando…