Pular para o conteúdo principal

Terry Eagleton - O amor é mais poderoso que a razão


“Ler Madame Bovary é um prazer estético, apreciar ao vivo um quadro de Van Gogh ou o Apoxiomeno é um prazer estético. Prazer estético, de acordo com o filósofo alemão Immanuel Kant, é sentir prazer diante do belo. De maneira que, prazer estético foi o que eu senti quando a vi pela primeira vez.”

Assim, começa o conto Gilda, que estou escrevendo para o portal de literatura lésbica Wonderclub. Mas afinal, quem é Gilda?

Gilda é uma prostituta, uma pessoa não aceita pela sociedade.Gilda carrega no rosto os sinais da incompreensão de seus pares, de sua família, de seus clientes. Gilda é o feminino de cada uma de nós. Gilda é o lado da vida que ninguém quer ver. Gilda é só desamor. Gilda poderia ser eu ou você que está lendo esse texto.

Até que um dia, por um acaso da vida, ou por uma conjunção astrológica, Gilda encontra alguém que é o seu avesso, uma mulher que de tão diferente dela pode vir a ser a única a entendê-la, que pode tanto vir a ser seu único amor quanto alguém letal ao seu coração.

Ao final de cinco semanas, talvez você descubra quem é Gilda. Acompanhe o conto Gilda, exclusivamente  Wonderclub.

https://wonderclub.com.br/escritora/fabiulabortolozzo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a manhã nasce

O que importa quando a manhã nasce? Frida Khalo, em seus Diários, diria que é a não ilusão. Mas como manter a fagulha crepitando sem um pouquinho que seja de ilusão? De uma ilusão a outra, quando a manhã nasce o céu segue atravessando todos os tons da luz, e eu – que sempre tive o hábito de levantar ainda no escuro – fico aqui no meu canto testemunhando a cada minuto a chegada do azul. E  há manhãs em que o azul é tanto que chega a doer dentro de mim. É o cheiro da flor de lavanda que fica mais intenso quando o sol aparece e evapora o orvalho que insistiu em amanhecer, é a sabiá-laranjeira que faz chegar até mim a sua excitação misturada com  melancolia, é o ruído – bem longe – de um carro, é um cão que late para o nada, é o gosto amargo do café na minha boca, é uma lembrança e uma expectativa, tudo isso uma manhã me traz. No entanto, na semana passada, além destes elementos e sensações tão familiares, a manhã me trouxe algo inesperado, me trouxe o passado, um passado inacabado. Tudo pode…

Clóvis

Ele era alto, magro e negro, com um porte que podia lembrar tanto um dândi quanto uma dama, isso dependia de quem o observava. Andava pelas ruas da pequena cidade a cata de serviços que lhe dessem o que comer no dia, qualquer serviço era bem-vindo e aceito. Não se importava com as humilhações, nem com o xingamento a que diversas vezes era submetido, estava acostumado. Sua vida fora sempre vivida entre aceitação, desaforos, pobreza e rebaixamento. O Sol queimava o chão manchado de terra vermelha, aquela cor que por mais que esfregasse estava impregnada na calçada, nos sapatos, no interior das pessoas do lugar, o vermelho comandava a vida da cidade, era do vermelho que brotavam as plantações que movimentavam o lugarejo. E Clóvis, com seus braços fortes e negros, esfregava e esfregava, sem esperança de que a brancura que um dia existira voltasse a reinar. Das poucas casas do lugar, apenas uma sempre lhe arrumava alguma coisa em que trabalhar, fosse esfregando a calçada, fosse arrancando…

Terry Eagleton - O amor é mais poderoso que a razão