Pular para o conteúdo principal

Terry Eagleton - O amor é mais poderoso que a razão

De braços abertos

Ouço Caetano cantar “meu mar e minha mãe, meu medo e meu champagne, visão do espaço sideral”, leio Caio Fernando Abreu e, ainda, são sete da manhã. Lá fora faz 5 graus e uma neblina tão espessa que me impede de enxergar e de sair para caminhar. Aqui de dentro te escrevo; te escrevo devido a uma necessidade absurda. Não te conheço, assim como você também não me conhece, somos estranhas que numa das voltas da roda da vida acabarão se tocando.
Te escrevo porque quero te mostrar um pouco dos meus inúmeros pedaços, quem sabe assim a gente possa se encontrar em algum livro, em algum objeto, em algum cheiro que faça parte de nós duas.
Olho para a estante e vejo tantas leituras que passaram pela minha vida e que deixaram marcas, como aquelas que fazem nos animais, “você me leu, agora você é minha”, sabe como?
Virgínia Woolf, Thomas Mann, Saramago, Clarice, Lygia, Caio F., meus estudos sobre budismo e sobre ovnis. Cada um deles tatuou algo em minha alma.
Na penteadeira, que tem quase 50 anos e pertenceu a minha mãe, guardo meus relógios. Tenho cinco, nem sei para quê tantos, talvez seja medo de perder as horas, a circunstância, o prumo. Meu perfume é almiscarado e azul, como azul são as paredes do meu quarto. Já te falei que esse quarto, um dia, foi dos meus pais? Pois é, essa casa é daquelas antigas que guardam karmas pelos cantos.

Agora, Caetano tá cantando “o melhor o tempo esconde, longe, muito longe, mas bem dentro aqui”, e eu penso que o passado, o presente e o futuro são uma coisa só, que o tempo não existe, que as distâncias são meros graus de separação e que essa miríade de pedaços de que somos feitas é o que mostra quem somos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a manhã nasce

O que importa quando a manhã nasce? Frida Khalo, em seus Diários, diria que é a não ilusão. Mas como manter a fagulha crepitando sem um pouquinho que seja de ilusão? De uma ilusão a outra, quando a manhã nasce o céu segue atravessando todos os tons da luz, e eu – que sempre tive o hábito de levantar ainda no escuro – fico aqui no meu canto testemunhando a cada minuto a chegada do azul. E  há manhãs em que o azul é tanto que chega a doer dentro de mim. É o cheiro da flor de lavanda que fica mais intenso quando o sol aparece e evapora o orvalho que insistiu em amanhecer, é a sabiá-laranjeira que faz chegar até mim a sua excitação misturada com  melancolia, é o ruído – bem longe – de um carro, é um cão que late para o nada, é o gosto amargo do café na minha boca, é uma lembrança e uma expectativa, tudo isso uma manhã me traz. No entanto, na semana passada, além destes elementos e sensações tão familiares, a manhã me trouxe algo inesperado, me trouxe o passado, um passado inacabado. Tudo pode…

Lembra quando você chegou?

Lembra quando você chegou? Era Abril, exatamente como na canção de Simon & Garfunkel. Começava a esfriar. Aquele frio do Sul, que vem com força nas manhãs de céu pintado de azul, depois nos abandona durante o dia para voltar à noite como uma amante esfomeada. Eu estava caminhando pelo centro, tinha acabado de entrar numa livraria que ficava na XV e era frequentada pelo pessoal da universidade e pela turma do Leminski, você não deve saber, mas tal livraria nem existe mais, fechou há uns 10 anos. E você estava lá, folheando um livro, com uma mochila pendurada no ombro, com cara de compenetrada e um moletom do curso de Filosofia. Você não me viu, mas eu a enxerguei. Quando veio perguntar o preço do livro foi que nossos olhos colidiram. Os meus eram desde aquele momento só ternura por você, os seus até hoje eu não consegui decifrar, e depois de tanto tempo eles, algumas vezes,escapam da minha memória. Depois disso, só fui te avistar duas semanas depois, no pátio da Reitoria. Era uma manh…

Interesses Avulsos

Para Oriane e pelo que poderia ter sido...

Poderia ter sido numa mesa de bar, poderia ter sido ao atravessar uma rua qualquer, poderia ter sido numa estação de trem perdida no meio do nada, mas não foi. Foi num ferry que cruzava a baía da Babitonga que eu a vi.
Não era verão, nem inverno, estávamos apenas adentrando o outono, quem sabe por isso o ferry tinha tão poucos carros. Porém, havia, já, aquele vento frio que, à força, vai abrindo espaço entre os fiordes da baía e trazendo uma garoa fina.
Sem nenhuma dificuldade, estacionei o carro em um lugar privilegiado, dali eu tinha uma vista frontal do mar e da ilha de São Francisco. Abaixei um pouco o vidro e liguei o rádio. Qual música tocava? Não consigo lembrar, naquele momentotoda a minha atenção estava voltada para ela.
A garota estava encostada numa das paredes da cabine do ferry e segurava uma bicicleta. Tinha um cabelo ruivo que caía em cachos suaves pelas costas. Devia ter uns vinte anos, talvez um pouco menos. Vestia uma calça jean…