Pular para o conteúdo principal

Terry Eagleton - O amor é mais poderoso que a razão

Neon



Os orientais e os espiritualistas dizem que há uma unicidade entre o corpo e a alma, já os ocidentais com pensamento cartesiano sugerem o contrário, o que me leva a crer que o dilema entre o corpo e a alma ainda perdurará por muito tempo.
Deixei a metafísica de lado quando a vi entrando. O corpo, a primeira vista, parecia perfeito: alta, magra com substância e curvas, pele sem nenhuma marca ou mancha, o cabelo castanho claro que caía pelas costas em fios retos, e insuportavelmente jovem. Até Krishinamurti pararia para vê-la passar.
Na atmosfera meio esfumaçada do bar, ela se movimentava como um elfo atravessando uma floresta medieval, fornecia luminosidade ao ambiente. Deixei meu livro sobre a mesa, ao lado do copo de conhaque, e passei a observá-la e absorvê-la, até ela sair.
Todo final de tarde eu voltava ao bar na esperança de vê-la mais uma vez, ia acompanhada de um livro, bebia o conhaque de sempre e esperava. Depois de cinco dias, o elfo apareceu ofuscando tudo ao redor. Vestia uma roupa em tons de azul e levava nos ombros um cachecol tão grande que mais parecia um xale. Quando ela sentou-se numa mesa em frente a minha e me olhou, o que eu enxerguei foi só alma.
Inesperadamente, ela pegou sua caneca de café, levantou-se, atravessou o fog que nos separava e veio para mim.
“Sozinha?” Puxou uma cadeira e sentou-se.
“Estou sempre sozinha.” Respondi com um sorriso irônico.
“Eu li em algum livro que a solidão é a forma discreta do ressentimento.” Olhou para mim com uns olhos que pareciam duas fendas que esperavam apenas um passo em falso meu para me puxar para dentro.
“Cristóvão Tezza.”
“O quê?” Ela parecia confusa.
“Você leu no livro do Tezza, O Fotógrafo. Ele começa a história com essa frase.” Fiquei surpresa ao constatar que o elfo lia o Tezza. “Mas não concordo com ele. A solidão, para mim, é um estilo de vida, uma opção, e muitas vezes uma benção.”
“Então você não é uma pessoa ressentida?”
“De forma alguma.” Tomei mais um pequeno gole do conhaque.
“E você sempre segue o seu estilo de vida a risca, nunca dá uma pausa?” Senti seu joelho se insinuando entre minhas pernas.
“Depende.” Para ajudá-la, afastei as pernas.
“Do quê?”
“Da proposta e do proponente.” Seu joelho finalmente alcançava o meu ponto de equilíbrio e, também, de descontrole. Eu sabia que a partir dali tudo seria possível.
Ela não disse nada, apenas me olhava e me bolinava por debaixo da mesa. Senti minha calcinha úmida. Levantei-me, a peguei pela mão e saímos dali.
Além das luzes da rua que entravam pela janela da sala, o apartamento estava totalmente escuro. O neon da farmácia que ficava em frente atingia seu corpo nu, contornando-o e esparramando sua aura avermelhada pelo ambiente.
Quando ia levá-la para o quarto, ela me empurrou no sofá, se ajoelhou na minha frente e pôs sua língua quente e úmida dentro de mim. Coloquei minha mão sobre a sua cabeça e senti seu cabelo roçando meu ventre e sua língua subindo e descendo. Em silêncio, ela subiu em mim e me comeu, devagar, em círculos, depois com força, indo cada vez mais fundo em minhas entranhas. Minhas mãos em suas costas sentiam seu movimento de ir e vir, desci com as mãos até seu quadril e a puxei mais para dentro, até que ela atingiu meu meio, o ponto que me fez gozar e jogar todos os meus líquidos secretos sobre ela.
A noite seguiu entre todos os cantos do apartamento, por todos os nossos espaços, que foram preenchidos e gozados. Quando, finalmente, adormecemos, o neon da farmácia já estava apagado, e as luzes do amanhecer começavam a azular a cidade.
Me vesti tentando não fazer barulho, peguei um bloco de notas que estava sobre a mesa da cozinha e deixei um bilhete antes de partir.
“Solidão, meu amor, é o que precede a metamorfose.”



* O conto Neon faz parte do livro Quase Nada, sua reprodução é permitida desde que feita a devida referência.

Quase nada / Fabiula Bortolozzo. – 1. ed. – Curitiba: Editora Galadriel, 2017
     ISBN 978-85-93935-00-8

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a manhã nasce

O que importa quando a manhã nasce? Frida Khalo, em seus Diários, diria que é a não ilusão. Mas como manter a fagulha crepitando sem um pouquinho que seja de ilusão? De uma ilusão a outra, quando a manhã nasce o céu segue atravessando todos os tons da luz, e eu – que sempre tive o hábito de levantar ainda no escuro – fico aqui no meu canto testemunhando a cada minuto a chegada do azul. E  há manhãs em que o azul é tanto que chega a doer dentro de mim. É o cheiro da flor de lavanda que fica mais intenso quando o sol aparece e evapora o orvalho que insistiu em amanhecer, é a sabiá-laranjeira que faz chegar até mim a sua excitação misturada com  melancolia, é o ruído – bem longe – de um carro, é um cão que late para o nada, é o gosto amargo do café na minha boca, é uma lembrança e uma expectativa, tudo isso uma manhã me traz. No entanto, na semana passada, além destes elementos e sensações tão familiares, a manhã me trouxe algo inesperado, me trouxe o passado, um passado inacabado. Tudo pode…

Lembra quando você chegou?

Lembra quando você chegou? Era Abril, exatamente como na canção de Simon & Garfunkel. Começava a esfriar. Aquele frio do Sul, que vem com força nas manhãs de céu pintado de azul, depois nos abandona durante o dia para voltar à noite como uma amante esfomeada. Eu estava caminhando pelo centro, tinha acabado de entrar numa livraria que ficava na XV e era frequentada pelo pessoal da universidade e pela turma do Leminski, você não deve saber, mas tal livraria nem existe mais, fechou há uns 10 anos. E você estava lá, folheando um livro, com uma mochila pendurada no ombro, com cara de compenetrada e um moletom do curso de Filosofia. Você não me viu, mas eu a enxerguei. Quando veio perguntar o preço do livro foi que nossos olhos colidiram. Os meus eram desde aquele momento só ternura por você, os seus até hoje eu não consegui decifrar, e depois de tanto tempo eles, algumas vezes,escapam da minha memória. Depois disso, só fui te avistar duas semanas depois, no pátio da Reitoria. Era uma manh…

Interesses Avulsos

Para Oriane e pelo que poderia ter sido...

Poderia ter sido numa mesa de bar, poderia ter sido ao atravessar uma rua qualquer, poderia ter sido numa estação de trem perdida no meio do nada, mas não foi. Foi num ferry que cruzava a baía da Babitonga que eu a vi.
Não era verão, nem inverno, estávamos apenas adentrando o outono, quem sabe por isso o ferry tinha tão poucos carros. Porém, havia, já, aquele vento frio que, à força, vai abrindo espaço entre os fiordes da baía e trazendo uma garoa fina.
Sem nenhuma dificuldade, estacionei o carro em um lugar privilegiado, dali eu tinha uma vista frontal do mar e da ilha de São Francisco. Abaixei um pouco o vidro e liguei o rádio. Qual música tocava? Não consigo lembrar, naquele momentotoda a minha atenção estava voltada para ela.
A garota estava encostada numa das paredes da cabine do ferry e segurava uma bicicleta. Tinha um cabelo ruivo que caía em cachos suaves pelas costas. Devia ter uns vinte anos, talvez um pouco menos. Vestia uma calça jean…