Pular para o conteúdo principal

Terry Eagleton - O amor é mais poderoso que a razão

Sobre tomates e livros


Aqui em casa tem alguns pés de tomate, eu comprei três saquinhos de semente e nós acabamos plantando só um, já que eram muitas sementinhas. Primeiro, usamos uma bacia como sementeira, quando eles ficaram maiorzinhos passamos para o chão, e entre uma rega, a chuva (que por aqui é constante), nossos cuidados e afeto, os tomatinhos cresceram e agora estão só esperando a mudança do verde para o vermelho.
Muitas coisas que acontecem no dia a dia puxam os fios das minhas memórias, e eu acabo sempre fazendo um link entre elas e o presente. Os tomatinhos são o caso mais recente.
Quando eu era uma pessoa pequena (como dizem os esquimós), na minha casa sempre tinha muitos cachorros, gatos, pássaros e plantas. De maneira que o cuidado com todos esses seres e a troca de energia com eles sempre foram de vital importância para mim. Colocar uma sementinha no algodão, vê-la crescer, transplantá-la, dar carinho para que se transformasse num ser exuberante; ou cuidar de um cachorrinho achado na rua até que ele ficasse taludo e seguisse em frente com sua própria força, era o mínimo que eu podia fazer.
Depois que virei uma pessoa grande, transportei essa devoção para os meus textos e para as minhas leituras. Escrever me fez resgatar todo o cuidado que sempre tive com todos os seres. Me envolvo com meus personagens de uma forma visceral, lhes dou vida e deixo que — depois de taludos — sigam e cumpram a sua função nesse mundo.
Não há como criar nada sem amor, sem cuidado, sem dedicação. Nem tomatinhos, nem arte. E é essa estranha conexão energética que me enlaça tanto com os tomatinhos quanto com os livros e meus personagens que eu procuro re-passar. Só regando nossas plantas conseguiremos chegar ao âmago da criação.
P.S.: infelizmente nem todos os tomatinhos vingaram.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lembra quando você chegou?

Lembra quando você chegou? Era Abril, exatamente como na canção de Simon & Garfunkel. Começava a esfriar. Aquele frio do Sul, que vem com força nas manhãs de céu pintado de azul, depois nos abandona durante o dia para voltar à noite como uma amante esfomeada. Eu estava caminhando pelo centro, tinha acabado de entrar numa livraria que ficava na XV e era frequentada pelo pessoal da universidade e pela turma do Leminski, você não deve saber, mas tal livraria nem existe mais, fechou há uns 10 anos. E você estava lá, folheando um livro, com uma mochila pendurada no ombro, com cara de compenetrada e um moletom do curso de Filosofia. Você não me viu, mas eu a enxerguei. Quando veio perguntar o preço do livro foi que nossos olhos colidiram. Os meus eram desde aquele momento só ternura por você, os seus até hoje eu não consegui decifrar, e depois de tanto tempo eles, algumas vezes,escapam da minha memória. Depois disso, só fui te avistar duas semanas depois, no pátio da Reitoria. Era uma manh…

Quarta Dimensão

Para Vânia Borges

Elas sofriam, cada uma a seu modo, cada uma em seu ritmo, cada uma num diapasão diferente. Duas vidas não podiam ser mais diferentes do que a delas, sendo o sofrimento a única coisa que as unia no momento em que se encontraram. Um encontro casual, daqueles que acontecem aos milhares num dia comum sobre a Terra. Talvez fosse acaso, talvez fosse destino, talvez fosse uma condição zodiacal favorável, mas o fato é que agora estavam frente a frente, e não havia mais como escapar desse encontro. Por que sofriam é um assunto delicado demais para ser tratado por esta escrivinhadora da vida. Quem sabe sofressem como outros tantos milhões de humanos: por desamor, por desapontamento, por indiferença. Quem sabe foi a força misteriosa que todo sofrimento tem que as empurrasse uma para a outra. Sem necessidade de muito falar, de muito argumentar, foram descobrindo as camadas de dor que as cobria, foram remediando as feridas que, ainda, insistiam em se manter abertas. Foram ocupan…

Clóvis

Ele era alto, magro e negro, com um porte que podia lembrar tanto um dândi quanto uma dama, isso dependia de quem o observava. Andava pelas ruas da pequena cidade a cata de serviços que lhe dessem o que comer no dia, qualquer serviço era bem-vindo e aceito. Não se importava com as humilhações, nem com o xingamento a que diversas vezes era submetido, estava acostumado. Sua vida fora sempre vivida entre aceitação, desaforos, pobreza e rebaixamento. O Sol queimava o chão manchado de terra vermelha, aquela cor que por mais que esfregasse estava impregnada na calçada, nos sapatos, no interior das pessoas do lugar, o vermelho comandava a vida da cidade, era do vermelho que brotavam as plantações que movimentavam o lugarejo. E Clóvis, com seus braços fortes e negros, esfregava e esfregava, sem esperança de que a brancura que um dia existira voltasse a reinar. Das poucas casas do lugar, apenas uma sempre lhe arrumava alguma coisa em que trabalhar, fosse esfregando a calçada, fosse arrancando…