Pular para o conteúdo principal

Terry Eagleton - O amor é mais poderoso que a razão

Vai de ebook ou de 'book'?



Outro dia uma pessoa me enviou uma mensagem perguntando se encontraria meus livros em livrarias físicas, pois queria lê-los mas não tinha o hábito de ler ebooks. Isso me fez recordar como há uns 3 anos eu também não lia ebooks. Na verdade, eu chegava a abominá-los.
Hoje, minha perspectiva é totalmente diferente, não só porque eu publico somente em ebooks, mas também porque eu leio livros, quase só, em formato digital.
A experiência de ler em ebook me fez tomar consciência de muita coisa, a primeira delas foi que minha vista estava ruim, pois como o ebook permite escolher o tamanho da letra eu percebi que podia ler muito melhor nesse formato, o que fez com que eu me sentisse como o personagem Miguilim quando usa o óculos pela primeira vez.
Com o passar dos dias, fui percebendo também que não precisava mais desembolsar um monte de dinheiro para ler os livros que eu queria. O ebook é um produto barato! Por R$5 você consegue ler um livro que na livraria pagaria R$20, ou mais. Isso sem falar nos inúmeros ebooks gratuitos.
Fui descobrindo, ao longo do meu caminho como leitora de ebooks, um número infinito de excelentes escritores que nunca ninguém ouviu falar sobre. E isso me confirmou uma frase do Umberto Eco que li uma vez, ele dizia que as pessoas morrem sem nunca terem ouvido falar de livros que são fantásticos. Ter contato com esses escritores provocou um salto quântico na minha experiência como leitora, e passei a me dar conta de que havia todo um universo a ser explorado dentro da literatura, um universo inesgotável de histórias e autores, muito além daquele restrito às livrarias e às grandes editoras. Afinal, existem obras que só serão lidas em ebook.
Sem falar no espaço, pois é o espaço que a cada dia passou a ficar mais reduzido devido a quantidade de livros que tenho. Um e-reader dos mais em conta comporta até quatro mil livros. Você já pensou, querida leitora e querido leitor, na quantidade de estantes necessárias para armazenar quatro mil livros físicos? Nem vivendo 100 anos eu conseguiria organizar esses livros todos. Além do que, um e-reader é um objeto portátil, ou seja, você pode carregar sua biblioteca para onde quiser, são as maravilhas da pós-modernidade. Estou parada no trânsito e posso escolher o que vou ler entre todos os volumes da minha biblioteca, vou viajar de ônibus (sim, eu adoro viajar de ônibus) e se não gostar do que estou lendo posso começar outro livro e mais outro e mais outro (depende do tempo de viagem). Vocês imaginem se eu tivesse que carregar comigo quatro ou cinco livros, além de pesado seria desajeitado.
E chegamos ao ponto crucial dessa nossa historinha sobre ebooks e e-readers: o custo ambiental do papel. Uma árvore como o eucalipto produz uma média de 20 a 24 mil folhas de papel A4, façam as contas se quiserem saber quanto é necessário para produzir um livro de 100 páginas. Você argumentará: ‘ah, mas o eucalipto vem de reflorestamento, e o papel pode ser reciclado.’ Sim e sim, mas qual é o dano ambiental causado por um reflorestamento de eucalipto? Qual a quantidade de água necessária para produzir papel ou, mesmo, para reciclá-lo?
Eu sei que existe gente que gosta de sentir o cheiro do livro, mas leve em consideração todos esses pontos quando você optar por comprar um livro físico ou um ebook.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lembra quando você chegou?

Lembra quando você chegou? Era Abril, exatamente como na canção de Simon & Garfunkel. Começava a esfriar. Aquele frio do Sul, que vem com força nas manhãs de céu pintado de azul, depois nos abandona durante o dia para voltar à noite como uma amante esfomeada. Eu estava caminhando pelo centro, tinha acabado de entrar numa livraria que ficava na XV e era frequentada pelo pessoal da universidade e pela turma do Leminski, você não deve saber, mas tal livraria nem existe mais, fechou há uns 10 anos. E você estava lá, folheando um livro, com uma mochila pendurada no ombro, com cara de compenetrada e um moletom do curso de Filosofia. Você não me viu, mas eu a enxerguei. Quando veio perguntar o preço do livro foi que nossos olhos colidiram. Os meus eram desde aquele momento só ternura por você, os seus até hoje eu não consegui decifrar, e depois de tanto tempo eles, algumas vezes,escapam da minha memória. Depois disso, só fui te avistar duas semanas depois, no pátio da Reitoria. Era uma manh…

Quarta Dimensão

Para Vânia Borges

Elas sofriam, cada uma a seu modo, cada uma em seu ritmo, cada uma num diapasão diferente. Duas vidas não podiam ser mais diferentes do que a delas, sendo o sofrimento a única coisa que as unia no momento em que se encontraram. Um encontro casual, daqueles que acontecem aos milhares num dia comum sobre a Terra. Talvez fosse acaso, talvez fosse destino, talvez fosse uma condição zodiacal favorável, mas o fato é que agora estavam frente a frente, e não havia mais como escapar desse encontro. Por que sofriam é um assunto delicado demais para ser tratado por esta escrivinhadora da vida. Quem sabe sofressem como outros tantos milhões de humanos: por desamor, por desapontamento, por indiferença. Quem sabe foi a força misteriosa que todo sofrimento tem que as empurrasse uma para a outra. Sem necessidade de muito falar, de muito argumentar, foram descobrindo as camadas de dor que as cobria, foram remediando as feridas que, ainda, insistiam em se manter abertas. Foram ocupan…

Clóvis

Ele era alto, magro e negro, com um porte que podia lembrar tanto um dândi quanto uma dama, isso dependia de quem o observava. Andava pelas ruas da pequena cidade a cata de serviços que lhe dessem o que comer no dia, qualquer serviço era bem-vindo e aceito. Não se importava com as humilhações, nem com o xingamento a que diversas vezes era submetido, estava acostumado. Sua vida fora sempre vivida entre aceitação, desaforos, pobreza e rebaixamento. O Sol queimava o chão manchado de terra vermelha, aquela cor que por mais que esfregasse estava impregnada na calçada, nos sapatos, no interior das pessoas do lugar, o vermelho comandava a vida da cidade, era do vermelho que brotavam as plantações que movimentavam o lugarejo. E Clóvis, com seus braços fortes e negros, esfregava e esfregava, sem esperança de que a brancura que um dia existira voltasse a reinar. Das poucas casas do lugar, apenas uma sempre lhe arrumava alguma coisa em que trabalhar, fosse esfregando a calçada, fosse arrancando…